Circula pelo whatsapp um vídeo que fala sobre uma pretensa tecnologia revolucionária criada em Israel para substituir a cirurgia do câncer de mama e a quimioterapia.

Inclusive, a mesma estaria sendo trazida ao Brasil pelo presidente Jair Bolsonaro para ser aplicada no SUS.

Conforme visto no vídeo, através de uma agulha é injetado um gás congelante que transforma o tumor numa bola de gelo.

Assim, destruindo o câncer sem afetar a parte saudável da mama.

O vídeo que circula na internet é verdadeiro?

Essa tecnologia realmente existe? Ela pode ser usada nas nossas mulheres brasileiras?

Esse vídeo se tornou tão popular na internet que tanto a Sociedade Brasileira de Mastologia quanto o Ministério da Saúde publicaram nota de esclarecimento à população.

Esse procedimento se chama crioablação, ele não é novo, foi inicialmente desenvolvido para tratar nódulos benignos.

Posteriormente, foi testado em tumores malignos menores de 1cm, mas até o momento ele é inferior a cirurgia convencional e, por isso, não pode ser utilizado na população geral.

Só pode ser aplicado em pessoas que estão participando de pesquisa científica.

Talvez venha a ter utilidade no futuro em casos de câncer de mama com menos de 1 cm, único e que ainda não afete a axila, particularmente naqueles subtipos de câncer menos agressivos.

Porém, ao contrário do que diz esse vídeo do whatsapp, não terá como substituir a retirada total da mama quando se trata de tumores que atingem vários pontos da mama.

Assim como jamais irá substituir a quimioterapia, pois a crioablação trata exclusivamente a mama; enquanto a quimioterapia trata as células do câncer que já saíram da mama e se instalaram em outras áreas do corpo, tais como ossos, pulmões e fígado.

Num futuro próximo haverá muita mudança no tratamento do câncer de mama, e teremos procedimentos e medicamentos menos agressivos e mais eficazes.

Mas tudo irá acontecer através de pesquisas científicas, sem pular etapas, como uma consequência natural da aplicação da ciência.

POR André Marini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *